quarta-feira, 3 de novembro de 2010

3° Fase do Modernismo

Contexto Histórico e Cultural


Em 1945 houve o termino da 2° Guerra Mundial, milhões de mortos na Europa, o holocausto, a queda de Hitler, o homem que ordenou a morte de milhões de judeus nos campos de concentração, as bombas atômicas, que causaram a morte instantânea de milhões de japoneses, e posteriormente destruiu a vida de outros. Como se não fosse suficiente Guerra Fria entre o pólo capitalista e o socialista, deixou no ar a ameaça de uma Guerra Nuclear que colocaria toda a humanidade em risco.
Dá-se ai, o inicio de uma nova juventude, de uma nova forma de pensar e contestar, essa oposição ao o que ocorre é feita através de palavras, pois antes os jovens só eram reprimidos, mas quando houve necessidade foram recrutados a guerra.


italia, segunda guerra, nazismo, modernismo


No Brasil, após a Segunda Guerra Mundial, há o inicio de um novo período de sua história, esse é marcado pelo desenvolvimento econômico, pela democratização política e pelo surgimento de novas tendências artísticas e culturais.


Música: Alberto Nepomuceno, Heitor Villa-Lobos e Guiomar de Novais;
Escultura: Victor Brecheret;
Teatro: Benedito Ruy Barbosa, Nelson Rodrigues;
Arquitetura: Lúcio Costa, Oscar Niemayer;
Pintura: Anita Malfatti, Lasar Segall, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Candido Portinari, Rego Monteiro, Alfredo Volpi;


Brasil, Brazil, capital brasileira, Brasilia


Em 1955 Juscelino Kubitschek foi eleito presidente do Brasil e houve a construção da atual capital do Brasil, a contrução de Brasilia trouxe a industrialização ao Brasil. Neste período houve um imenso exoto rural, as pessoas sairam do sertão em direção as cidades, muitos imigrantes nordestinos vieram em direção as grandes cidades em busca de vidas melhores. Criando um grande problema social no país. A década de 40 foi marcada pelo rádio, mas em 1950, Chateaubriand trouxe a televisão para o Brasil, fazendo com que os programas televisivos fizessem parte da vida dos brasileiros.




Caracteristicas da Terceira Fase do Modernismo


Definui-se que a terceira fase do modernismo se iniciou em 1945 e foi até 1960, alguns estudiosos nomeiam essa fase como Pós-moderna e segundo os mesmo esta ainda estaria se desenrolando até a data atual, inicialmente abordaremos o modernismo como o período de 1945 à 1960. O período é representado principalmente pela Prosa, na 3° fase do modernismo há a publicação de vários contos, crônicas e romances. Há também a continuidade de 3 tendencias já ocorridas na 2° fase do modernismo;


Prosa Urbana, contos que polarizam e conflituam o individuo e o meio social, destacam-se Dalton Trevisan, Rubem Braga, Lygia Fagundes Telles que também produziu romances;


Prosa Intimista, se concentra na sondagem psicológica, caracteristica marcante das produções de Clarice Lispector. Destacam-se também Lygia Fagundes Telles e Antônio Olavo Pereira;


Prosa Regionalista, o primeiro autor da tendencia foi Bernardo Guimarães, no século XIX, a prosa regionalista recebeu inovações linguisticas e temáticas vindas de Guimarães Rosa, que publicou seu primeiro livro, Sagarana, recebendo vários prêmios, mais tarde escreveu Grande Sertão: veredas, um romance que deixa claro a temática da vida no sertão. Outros nomes importantes para a Prosa Regionalista foram Herberto Sales, Mário Palmério e Bernardo Éllis;


Negando a liberdade formal, as irônias, as sátiras e outras características modernistas, os poetas de 45 buscaram uma poesia mais “equilibrada e séria”, tendo como modelos os Parnasianos e Simbolistas. No fim dos anos 40, surge um poeta singular, não estando filiado esteticamente a nenhuma tendência: João Cabral de Melo Neto.


Outro genero presente é a Poesia, diferente do período antecessor a poesia deste perído está em busca de seriedade e é mais equilibrada, os poetas da fase anterior continuam a produzir, mas estão em constante renovação, formas fixas e classicizates foram retomadas por estes poetas, denominados neoparnasianos. A denominação Neoparnasiano é de fundo pejorativo, partindo do pressuposto de que os autores desta fase opunham-se às características radicais e enérgicas da Primeira Fase Modernista, tendo um comportamento mais formal diante das produções literárias.


Principais Autores;

▪ Antonio Olinto (1919-2009)
▪ Ariano Suassuna (1927-)
▪ Clarice Lispector (1920-1977)
▪ Domingos Carvalho da Silva (1915 - 2004)
▪ Elisa Lispector (1911-1989)
▪ Ferreira Gullar (1930- )
▪ Geraldo Vidigal (1921)
▪ Guimarães Rosa (1908-1967)
▪ João Cabral de Melo Neto (1920-1999)
▪ Mauro Mota (1911-1984)
▪ Nelson Rodrigues (1912-1990)


Guimarães Rosa


Guimarães Rosa foi um grande estudioso, principalmente de línguas. Alguns estudiosos de sua obra afirmam que ele aprendeu sozinho o russo e o alemão. Essa paixão por línguas se reflete em quase todos os seus textos. Ele faleceu três dias depois de ter tomado posse na Academia Brasileira de Letras. Suas obras são caracterizadas pelo;


Regionalismo;
Universalismo;
Criação Linguística;


Assim como outros autores, Guimarães utiliza a elação do homem com a paisagem árida do sertão como matéria- prima de seus textos. Entretanto seu regionalismo apresenta um novo significado extrapola os limites da realidade brasileira, atingindo o plano universal. Como dizia o próprio autor, “o sertão é o mundo”. Tanto que podemos interpretá-lo de várias maneiras: como realidade geográfica, social, política e até mesmo numa dimensão metafísica. Outra característica fundamental de Guimarães Rosa é o seu poder inovador, sua habilidade em trabalhar e inventar palavras. Seus textos são repletos de neologismos (neo= novo, logismo vem delogos que significa palavra), ou seja, neologismos são palavras novas. Dizem que Guimarães sempre andava com um caderninho no bolso anotando palavras e expressões características do falar do povo brasileiro e a partir delas criava outras tantas.


São exemplos de seus famosos neologismos:
“desafogaréu” – “cigarrando” – “justinhamente”
“êssezinho”
– “ossoso”
– “retrovão”
“agarrante”
– “bisbrisa”
– “desfalar”


Outra característica é o seu poder de fusão dos gêneros literários. Guimarães Rosa não ficou preso a um único gênero. Segundo a crítica literária, ele e Clarice Lispector conseguiram desromancizar o romance, aproximando-o da poesia.





“Não, não sou romancista; sou um contista de contos críticos. Meus romances e ciclos de romances são na realidade contos nos quais se unem a ficção poética e a realidade. Sei que daí pode facilmente nascer um filho ilegítimo, mas justamente o autor deve ter um aparelho de controle: sua cabeça. Escrevo, e creio que este é o meu aparelho de controle: o idioma português, tal como usamos no Brasil; entretanto, no fundo, enquanto vou escrevendo, extraio de muitos outros idiomas. Disso resultam meus livros, escritos em um idioma próprio, meu, e pode-se deduzir daí que não me submeto à tirania da gramática e dos dicionários dos outros. A gramática e a chamada filologia, ciência lingüística, foram inventadas pelos inimigos da poesia”.


Guimarães Rosa


Clarice Lispector


Clarice Lispectoraprofunda-se num caminho já percorrido por outros autores no início do movimento modernista, a literatura de caráter introspectivo e intimista. Clarice sempre foi muito mística e supersticiosa, tanto que em 1976, representou o Brasil num Congresso de Bruxaria, na Colômbia.


Clarice Lispector dedicou-se à prosa de sondagem psicológica, à análise das angústias e crises existenciais, ou seja, dedicou-se à análise do mundo interior de suas personagens. Clarice rompeu com a linearidade da estrutura do romance, seus textos baseiam-se no fluxo de consciência (na expressão direta dos estados mentais), na memória. Tempo, espaço, começo, meio e fim deixaram de ser importantes. Segundo a própria autora “o importante é a repercussão do fato no indivíduo” e não o fato em si. Outra característica de Clarice Lispector é o freqüente uso do monólogo interior, técnica em que o narrador conversa consigo mesmo, como se estivesse divagando. Entre seus livros mais conhecidos estão: “Perto do Coração Selvagem”, “Laços de Família” e “A Hora da Estrela”, último livro publicado em vida.



Nelson Rodriguez


O teatro entrou na vida de Nelson Rodrigues por acaso. Uma vez que se encontrava em dificuldades financeiras, achou no teatro uma possibilidade de sair da situação difícil em que estava. Assim, escreveu "A mulher sem pecado…", sua primeira peça. Segundo algumas fontes, Nelson tinha o romance como gênero literário predileto, e suas peças seguiram essa predileção, pois as mesmas são como romances em forma de texto teatral. Nelson é um originalíssimo realista. Não é à toa que foi considerado um novo Eça. De fato, a prosa de Nelson era realista e, tal como os realistas do século XIX, ele criticou a sociedade e suas instituições, sobretudo o casamento.
Sendo esteticamente realista em pleno Modernismo, Nelson não deixou de inovar tal como fizeram os modernos. O autor transpôs a tragédia grega para o sociedade carioca do início do século XX, e dessa transposição surgiu a "tragédia carioca", com as mesmas regras daquela, mas com um tom contemporâneo.



O erotismo está muito presente na obra de Nelson Rodrigues, o que lhe garante o título de realista. Nelson não hesitou em denunciar a sordidez da sociedade tal como o fez Eça de Queirós em suas obras. Esse erotismo realista de Nelson teve sua gênese em obras do século XIX, como "O Primo Basílio", e se desenvolveu grandemente na obra do autor pernambucano. Em síntese, Nelson foi um grande escritor, dramaturgo e cronista, e está imortalizado na literatura brasileira.



Ariano Suassuna


Em 1947, escreveu sua primeira peça, Uma mulher vestida de sol. Em 1948, sua peça Cantam as harpas de Sião (ou O desertor de Princesa) foi montada pelo Teatro do Estudante de Pernambuco. Os homens de barro foi montada no ano seguinte.
Em 1950, formou-se na Faculdade de Direito e recebeu o Prêmio Martins Pena pelo Auto de João da Cruz. Para curar-se de doença pulmonar, viu-se obrigado a mudar-se de novo para Taperoá. Lá escreveu e montou a peça Torturas de um coração em 1951. Em 1952, volta a residir em Recife. Deste ano a 1956, dedicou-se à advocacia, sem abandonar, porém, a atividade teatral. São desta época O castigo da soberba (1953), O rico avarento (1954) e o Auto da Compadecida (1955), peça que o projetou em todo o país e que seria considerada, em 1962, por Sábato Magaldi “o texto mais popular do moderno teatro brasileiro”.
Em 1956, abandonou a advocacia para tornar-se professor de Estética na Universidade Federal de Pernambuco. No ano seguinte foi encenada a sua peça O casamento suspeitoso, em São Paulo, pela Cia. Sérgio Cardoso, e O santo e a porca; em 1958, foi encenada a sua peça O homem da vaca e o poder da fortuna; em 1959, A pena e a lei, premiada dez anos depois no Festival Latino-Americano de Teatro.
Em 1959, em companhia de Hermílio Borba Filho, fundou o Teatro Popular do Nordeste, que montou em seguida a Farsa da boa preguiça (1960) e A caseira e a Catarina (1962). No início dos anos 60, interrompeu sua bem sucedida carreira de dramaturgo para dedicar-se às aulas de Estética na UFPe.




Ele foi o criador do Movimento Armorial, que tem como projeto a confluência simultânea de todas as artes populares do Nordeste brasileiro, trabalhando a favor da dignidade humana. “Romance d’A Pedra do Reino” é considerado um dos melhores do país, e a peça “O Auto da Compadecida”, além de encenada diversas vezes por todo o mundo, já recebeu três adaptações cinematográficas. Dentre suas obras no período podemos citar;

Uma Mulher Vestida de Sol (1948);
Ode (1955);
Fernando e Isaura (1956);
Auto da Compadecida (1957);
O Casamento Suspeitoso (1961);

Podemos definir a 3° Fase do Modernismo como um período influenciado por mentes que tentavam mudar, mas ao mesmo tempo retomar certos traços, escrevendo com um tom mais sério, e procurando expressar suas origens pelo regionalismo e tornar a literatura mais brasileira, sair da monotonia e formar uma literatura brasileira, outra característica foi a sondagem psicológica, com o intuito de expressar o interior das mentes de seus personagens, como Clarice Lispector, uma obra exemplar é “Laços de Família”, a obra de Clarice Lispector traz a necessidade humana de se conhecer e entrar na mentes do outro à tona.

7 comentários:

  1. parabens! Achei tudo o que eu queria continue com o blog, o conteudo esta muito bem trabalhado.

    ResponderExcluir
  2. como assim, os imigrantes nordestinos ao se mudarem para as cidades "grandes" causaram um grande conflito social? pelo amor de Deus....

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Por favor escreva comentários pertinentes e construtivos.
Obrigado por comentar!

Confira Mais Links